Laguna 69 – A melhor trilha que eu já fiz fica em Huaraz, no Peru!

Paisagem da Laguna 69, em Huaraz, Peru. A lagoa cercada por montanhas da cordilheira dos andes tem págua azul turquesa e é uma das melhores trilhas do continente.

Paisagem fantástica da Laguna 69, o lugar mais bonito que já vi.

Compartilhe com os amigos

Você quer fazer uma trilha épica, conhecer um lugar sensacional, e sem gastar muito ou passar perrengue? A Laguna 69, no Peru, é o que você quer!

A Laguna 69 é uma lagoa formada pelo degelo da neve nos Andes Peruanos. Fica no Parque Nacional Huarascan, considerado Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO, próximo à cidade de Huaraz, no Peru. É o passeio mais popular da região, que tem como atrativo o contato com as enormes montanhas eu formam a Cordillera Blanca, um trecho dos Andes com montanhas enormes nevadas. Ali é possível praticar montanhismo, fazer trilhas que variam de poucas horas a vários dias, mountain bike, andar a cavalo e visitar lagoa, cachoeiras e geleiras.

A cidade de Huaraz fica a 400 km de Lima, capital do Peru. A melhor forma de ir até a cidade é de ônibus. Várias empresas fazem a rota em veículos novos e confortáveis.

Em meio a toda essa beleza e todas estas possibilidades, a Laguna 69 se destaca das demais atrações. Descubra no texto abaixo o que faz dela a melhor trilha do mundo!

Quando ir à Laguna 69

Coo dissemos no nosso artigo sobre Huaraz, a melhor época para ir é entre Maio e Setembro. Nesse período chove pouco e as condições para trilha são ideais. A cidade fica movimentada com gente do mundo todo que vem para curtir os Andes.

De Dezembro a Abril é o período molhado, só recomendado para pessoas com experiência em condições adversas na montanha. Se for o seu caso, aproveite para ter as trilha todas pra você!

Como chegar

A melhor forma de chegar ao início da trilha é contratar o passeio junto a uma das diversas agências de turismo da cidade. Custa aproximadamente 50 soles, algumas podem cobrar mais, outras menos, mas vale muito a pena. O preço geralmente inclui o transporte até o início da trilha, com parada para fotos nas Lagunas Llanganuco (que são tão azuis que até parece photoshop) e guia (que em alguns casos leva cilindros de oxigênio para o caso de alguém ter problemas com a altitude).

Contratando o passeio, o ônibus te busca no seu hotel entre 5 e 6 horas da manhã e te deixa lá no final do dia (chegamos por volta de 19:30).

Dica importante: Você também pode alugar um carro e ir por conta própria, mas não recomendo isso de forma alguma. O caminho, após sair da estrada principal, é muito ruim, passando por subidas íngremes em trechos não asfaltados e cercados por precipícios. Sem contar que em grande parte do trajeto não há sinal de celular, o que dificulta muito um pedido de socorro caso o carro quebre, etc. Muito melhor deixar a direção com os motoristas locais que estão acostumadas e aproveitar a viagem (de 2 a 3 horas saindo de Huaraz) para curtir a paisagem ou tirar um cochilo.

Também existe a possibilidade de utilizar o transporte público (ônibus e vans), mas serão necessárias baldeações e os horários e trajetos não são claros. Não vale a pena.

Não sou nenhum atleta, será que consigo fazer?

Para começar, é preciso deixar claro que é uma trilha puxada. São 14 km, ida e volta, e como já foi dito, a altitude é um fator que dificulta bastante. Mas acredito que seguindo as dicas abaixo a maioria das pessoas consegue chegar até o final:

  • Fazer bem a aclimatação à altitude e seguir as dicas para minimizar seus efeitos citadas no tópico anterior.
  • Se alimentar bem na noite anterior, e levar alimentos de alto valor energético para comer durante a trilha.
  • Se você for totalmente sedentário, considere fazer caminhadas algumas semanas antes da viagem, isso já vai ajudar bastante. (e consultar um médico antes de iniciar uma rotina de exercícios é sempre bom).
  • Para os nossos leitores cadeirantes, tenho que dar a má notícia: a trilha não é acessível por cadeira de rodas. Esperamos que no futuro seja possível utilizá-la desta forma.
  • Dito isso, testemunhei pessoas de idade avançada, e acima do peso, percorrendo a trilha. Foram no seu ritmo, na companhia do guia, sem pressa, e chegaram quase todos lá.
  • Também tenho dizer que algumas pessoas realmente desistem antes de chegar à Laguna 69. E não há nada de mal nisso, visto que o caminho é lindo e é possível apreciar os rios, vales, cachoeiras e montanhas que desfilam durante o caminho até a lagoa.

O que levar

Calçado: Para começar, um tênis ou bota confortável e adequado para caminhadas. Como você vai andar uma distância considerável, esse é o item mais importante.

Roupas: É importante se vestir em camadas. Você provavelmente iniciará a trilha sentindo frio, mesmo em dias de sol, devido à altitude e ao fato de que a melhor época para visitar a laguna 69 é o inverno, quando chove menos. Ao longo da trilha o corpo vai esquentando, especialmente nos trechos de subida, e você vai querer tirar o casaco, cachecol, luvas, etc.

Comida: Levar comida para uma refeição (pode ser um sanduíche) e alguns lanches para comer durante o caminho (costumo levar umas barras de chocolate. Energia para o corpo e para a alma). Também recomendo levar entre um e dois litros de água. Além de hidratar ela ajuda a minimizar os efeitos da altitude.

Outros: Máquina fotográfica!! E uma capa de chuva é sempre bom, não sai da minha mochila.

Para mais dicas sobre preparação para trilhas, veja nosso post com erros que você deve evitar em trilhas.

Minha experiência

 Numa terça-feira comum de trabalho, vi uma reportagem com fotos de uma viagem ao Peru. Entre dezenas de fotos de Machu Picchu, Cusco e Lima, uma chamou minha atenção: uma lagoa rodeada por montanhas negras cobertas de neve. A água da lagoa tinha uma cor azul tão intensa que não parecia real.  As pessoas ao redor da lagoa aparentavam cansadas, mas tinham uma expressão de êxtase no olhar, como que se estivessem dispostas a percorrer o caminho até aquele lugar quantas vezes fossem necessárias para chegar lá.

Só de ficar olhando para a foto eu já me sentia assim. Mas não era suficiente. Descobri o nome do lugar e cinco minutos depois já estava no google planejando visitar a Laguna 69 (nome estranho…) nas minhas férias. Não achei tanta informação sobre a trilha, mas tudo que achei pode ser resumido a: azul, altitude, vá agora, vale a pena!

Mostrei para a Nati, que topou ir na hora. Incluímos Machu Picchu no roteiro, mas sabia que lá seria a sidetrip, o ponto alto seria a Laguna 69.

Definimos o roteiro, compramos a passagem, contamos os dias para a viagem, fiemos as malas e embarcamos. Depois de uma semana em Cusco, voltamos de avião para lima e pegamos o ônibus para Huaraz.

Desde que chegamos ao Peru estávamos preocupados com a altitude. Nunca havíamos viajado para lugares tão elevados, e a trilha para a Laguna seria o ponto alto (literalmente) da viagem. Desde que chegamos tomamos chá de coca, muita água e mascamos a folha de coca. Felizmente, não sentimos nada. Mas nada se comparava a trilha à Laguna 69, que tem 14 km de extensão e cuja altitude chega a 4500 metros acima do nível do mar.

Após 9 horas de viagem, chegamos em Huaraz. A equipe da agência que contratamos (huascaran adventures) para fazer os passeios estava nos esperando na rodoviária para dar uma carona até o hotel e já programar a primeira trilha. A laguna 69 seria no 3º dia. Nos dois primeiros, passeios mais curtos na altitude para aclimatar. Fomos à Laguna Wilcacocha e ao Nevado Pastoruri. Enfim chegava o grande dia.

pessoas e montanhas na trilha para a laguna 69, parque huarascan, huaraz, peru

Trilha para a Laguna 69

A trilha até a Laguna 69

Acordamos as 4:30 da manhã, o ônibus estava marcado para 5:15. Comemos alguma coisa e descemos para a recepção do hotel. Pegamos o ônibus no horário combinado e tiramos um cochilo até a hora a parada nas Laguna Llanganuco.

Para chegar até a Laguna 69 caminha-se por cerca de 7,5 km, com um ganho de altitude de aproximadamente 650 metros. A caminhada dura cerca de 3 horas, feitas com calma devido à altitude (por volta de 4500 metros acima do nível do mar).

Ao descer do ônibus o guia nos apontou a direção e começamos a caminhar. Como estávamos com medo da altitude, fomos bem devagar, segurando o ritmo. A primeira hora de trilha é bem fácil, totalmente plana. A caminhada é as margens do rio, seguindo até as encostas do vale, onde começa a subida.

Fomos conversando e tirando fotos, e mal vimos o tempo passar. A esta altura já estávamos na frente da maior parte das pessoas que partiram do nosso ônibus, que começaram andando mais rápido mas precisaram parar para descansar pelo caminho.

Seguimos a mesma estratégia para a subida do vale: devagar e sempre caminhando. Esta primeira subida é cansativa, mas felizmente não sentimos nenhum efeito da altitude. A paisagem ajuda a distrair. São cachoeiras e lagoas que surgem entre os picos nevados do Peru.

Chegamos a um lago, que pensamos ser a Laguna 69. Felizmente não era, seria decepcionante. Esta pequena lagoa é um excelente ponto para descansar e tirar fotos, mas sua beleza não se compara à irmã mais famosa. Aproveitamos para comer um chocolate e tomar suco para recuperar as energias.

Depois de um pequeno e bonito trecho plano, mais subida. Já estávamos caminhando a quase duas horas, e o cansaço apareceu. Neste ponto já estávamos a mais de 4 mil metros acima do nível do mar. A última subida é pesada, e o terreno irregular. Foi preciso fazer várias pequenas paradas pelo caminho, para recuperar o folego e descansar as pernas. Mas também não foi nenhum grande sacrífico, um cansaço esperado para uma trilha com subida em altitude elevada

A mágica

Chegar na Laguna 69 é épico: você esquece o cansaço, as pernas pesadas, a mochila nas costas, e conclui que faria isso quantas vezes fosse preciso para chegar ali. A cor azul turquesa dá agua é inacreditável, as montanhas cobertas de neve se fecham ao redor da lagoa, como se quisessem manter ela isolada de qualquer contato, é uma experiencia surreal. Parece um lugar sagrado, guardado somente para os merecedores que venceram a subida e a altitude.

E por mais que você já tenha viso dezenas de fotos do lugar, ele ainda vai te impressionar. As fotos simplesmente não fazem justiça à beleza da paisagem.

Depois de contemplar, fique à vontade para um mergulho na água gelada (a lagoa é formada pelo degelo da neve que se acumula ali). Eu consegui ficar lá dentro uns 30 segundos.

Mergulho na trilha da laguna 69, em huaraz, peru

Mergulho na Laguna 69

Outras trilhas legais em Huaraz

Santa Cruz Trek – Esta é uma das trilhas mais clássicas do Peru, só perdendo da Trilha Inca. Tem cerca de 50 quilômetros, pode ser feita em 3 ou 4 dias, e ser percorrida em ambos os sentidos. Várias agencias da cidade oferecem esse passeio, que normalmente inclui um guia, um cozinheiro e um arriero (carregador) para auxiliar a transportar o equipamento.

É bom fazer reservas com antecedência e conferir o que está incluído no pacote. Por exemplo: Quantas pessoas cada guia irá levar; quantas são as refeições; idiomas que o guia fala, se está incluído um cozinheiro e um carregador.

Circuito Huayhuash – Esta trilha vem ganhando cada vez mais popularidade em anos recentes. Na década de 80 a Cordillera Huayhuash era território do grupo terrorista Sendero Luminoso, extinto nos anos 90. Hoje é frequentada por turistas e locais em busca de montanhas e lagos andinos. O Circuito mais clássico tem distancia a ser percorrida de 115 quilômetros e costuma ser feito em 9 dias.

Várias comunidades locais cobram taxas para os viajantes que cruzam seus territórios, com o propósito de melhorar a segurança, sinalização e conservação das áreas. Os preços variam entre 15 e 40 soles, e podem chegar a 200 soles para o circuito inteiro.

O circuito é considerado uma das mais belas trilhas do mundo, com algumas das montanhas mais altas do mundo fora do Himalaia e lagos andinos de ons de azul impressionantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *