13 erros que você deve evitar para fazer trilhas com segurança

itens para levar em trilha. casaco, mochila, mapa, câmera, botas, bussola.

o que levar para trilhas

Compartilhe com os amigos

Depois de passar por vários perrengues em trilhas, viagens, expedições e afins, finalmente eu estou aprendendo a evitar situações complicadas. Para você que não quer se ver no fundo de um cânion, sem água e comida, com uma nevasca pela frente e mais 4 horas de trilha até seu camping, fiz uma lista de erros básicos e dicas de segurança para aproveitar sua viagem com segurança.

1 Não levar água

O item mais importante que você deve levar é água. Pode parecer óbvio, mas eu mesmo já comecei trilhas sem levar água por achar que poderia conseguir no caminho. E muitas vezes não dá.

Hoje levo sempre uma garrafa de dois litros para trilhas que vão durar até três horas, e duas se a trilha for durar mais.

2 Não levar comida

Lanches de alto valor calórico são ideais para repor rapidamente a energia gasta durante a atividade física. Sempre levo uns chocolates, alimento para o corpo e para a alma. Se a trilha for longa, você vai precisar de uma refeição balanceada, pode ser um sanduíche ou uma quentinha. E para trilhas em lugares isolados, leve comida suficiente para um dia extra, para o caso de se perder ou ter um imprevisto.

3 Calçado inadequado

Algumas trilhas exigem calçados mais especializados, outras não. Para trilhas de um dia, em terrenos não muito acidentados eu opto por utilizar um tênis de corrida, leve e com bom amortecimento. Se a trilha for em terreno irregular, ou se eu precisar levar uma mochila mais pesada, vou com um tênis de trilha. Só uso botas em trilhas de vários dias com acampamento, onde o peso da mochila exige calçados mais resistentes e com proteção aos tornozelos.

4 Roupas inadequadas

Obviamente, vai depender do clima do local onde você vai estar. Os principais fatores a considerar são a temperatura e a possibilidade de chuva (ou neve).

O principal método utilizado para escolher as roupas é o Método das Camadas. Você começa a se vestir com roupas leves, inclui por cima uma camada para se proteger do frio e em cima desta uma impermeável, para se proteger da chuva. Listamos abaixo mais detalhes sobre como se vestir e algumas sugestões:

  • 1ª camada: Pode ser uma simples camiseta de algodão, que favorece a evaporação do suor, ou uma “segunda pele”, usada junto ao corpo de tecido especifico para facilitar a transpiração e manter o corpo seco.
  • 2ª camada: É a responsável por manter o corpo aquecido. Pode ser um uma blusa de lã, fleece, moletom ou jaqueta leve. É normal que ao caminhar o corpo esquente e você opte por retirar esta camada ao longo da trilha.
  • 3ª camada: sua função é manter o corpo seco. Pode ser desde uma capa de chuva até uma jaqueta impermeável e com função corta-vento.

5 Não levar kit de primeiro socorros

É bom que alguém do grupo leve um e siba como usar. São leves e baratos, e podem fazer toda a diferença em caso de um acidente.

6 Não ter uma lanterna

Item de segurança indispensável para trilhas desconhecidas. Um imprevisto pode fazer com que a trilha demore mais que o esperado, e após escurecer até a mais simples das caminhadas vira uma atividade de risco, sujeita a quedas. Uma lanterna na mochila faz com que seja possível terminar a trilha ou procurar abrigo para passar a noite.

7  Não ter um mapa

Ir a uma trilha desconhecida sem mapa é um risco desnecessário. Hoje quase todos têm um celular com gps, e é simples salvar off-line a região que você pretende percorrer para consultar se preciso. Também é muito fácil pesquisar mapas de trilha na internet, e salvar um no celular ou imprimir e levar na mochila.

8 Não avisar alguém sobre seus planos

Outra medida de segurança simples. Avisar alguém o trajeto que você pretende percorrer e quando pretende terminar faz com que essa pessoa possa iniciar uma busca caso você não retorne e não consiga se comunicar (algo comum ao fazer trilhas em locais isolados, sem sinal de celular). Se conseguir sinal durante a trilha, mande mensagens eventualmente atualizando os planos.

9 Não checar a previsão do tempo

As condições climáticas frequentemente são a diferença entre uma atividade segura e uma de risco. Algumas situações que devem ser evitadas:

  • Se estiver prevista chuva forte evite áreas sujeitas a deslizamentos, inundações ou rios.
  • Evite o mar em situações de ressaca e ondas fortes.
  • Evite trilhas com exposição a quedas após qualquer precipitação, o terreno pode ficar muito escorregadio.
  • Em épocas de temperaturas elevadas evite trilhas com muita exposição ao sol, especialmente em vales, cânions e regiões desérticas.

10 Não checar as condições da trilha

A maioria dos parques nacionais informam em seus sites se há algum problema ou alerta de segurança nas trilhas. Fazer uma consulta prévia pode evitar riscos desnecessários e frustrações, como encontrar uma trilha fechada após duas horas dirigindo. Fazendo uma busca no google também ajuda a descobrir caso exista algo de errado com as condições da trilha.

11 Ir sozinho

Ir sozinho para uma trilha é um fator extra de risco, especialmente em trajetos desconhecidos e em regiões isoladas. Caso você vá em uma trilha popular e que costume ter outras pessoas, este risco já fica minimizado. Se não for possível conseguir a companhia de um amigo, considere se juntar a uma excursão ou contratar um guia local.

12 Não checar o nível de dificuldade da trilha

Em geral o nível de dificuldade depende do ganho de altitude, que é quanta subida aquela trilha tem, e da distância a ser percorrida.

Na minha opinião, o ganho de altitude influencia bem mais a dificuldade do que a distância, e é o que eu uso para avaliar a dificuldade de uma trila. Eu costumo classificar as trilhas da seguinte forma:

Fácil: Ganho de altitude de até 500 metros

Moderada: Ganho de altitude de 500 a 1000 metros

Difícil: Ganho de altitude superior a 100 metros

É claro que a percepção de dificuldade varia de pessoa para pessoa. Cada você ainda não tenha feito muitas trilhas, comece pelas mais fáceis e vá aumentando a dificuldade à medida que se sentir confortável. Assim você vai descobrir quais são seus limites e vai conseguir planejar bem o tempo que vi levar em cada trilha.

Uma sugestão para trilhas difíceis é dividir em vários dias, como a maioria das pessoas faz na Travessia Petrópolis Teresópolis.

13 Não se alimentar bem na noite anterior

A preparação para a trilha começa na noite anterior. Procure se alimentar bem, uma refeição rica em carboidratos, como uma massa, é ideal. Não se preocupe com as calorias, você vai queimar todas no dia seguinte.

2 Comentários

  1. Natália disse:

    Não fazer trilhas sozinho e comunicar a família antes de fazer qualquer trajeto perigoso é essencial 🙂

    • Orlando Neto disse:

      Isso aí, Natália! Siga sempre essas dicas na suas trilhas e você vai se divertir muito! Boas trilhas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *