Bright Angel – Trilha histórica rumo ao interior do Grand Canyon

Compartilhe com os amigos

A Bright Angel Trail é a trilha mais popular do Grand Canyon. Principal caminho em direção ao Rio Colorado, que corre no fundo do cânion, possibilita aos visitantes chegar ao coração do parque.

Por oferecer menor exposição ao sol, pontos intermediários de parada e ponto de reabastecimento de água, a maioria dos visitantes opta por descer até o Rio Colorado por aqui.

Quando ir

As melhores épocas para fazer a trilha são a Primavera (março, abril, maio, junho) e o Outono (setembro, outubro, novembro). Durante estes meses as temperaturas são mais amenas e o parque fica mais vazio.

Nos meses de verão, especialmente julho e agosto, o parque fica lotado devido às férias escolares. As temperaturas são elevadas e os preços de hospedagem aumentam. Se puder, evite estes meses.

Fazer a trilha no inverno é pode ser uma excelente experiência, mas é preciso tomar alguns cuidados. Após nevar, os primeiros quilômetros de trila podem ficar cobertos de neve, gerando um risco de queda. A parte mais baixa, em função das temperaturas mais elevadas, não costuma ficar com neve.

paisagem do grand canyon, no arizona, estados unidos, coberta de neve no inverno

O Grand Canyon durante o inverno

O que levar para a Bright Angel

Leve água suficiente. 2 litros são suficientes, seja para ir até as paradas de descanso intermediárias ou para chegar ao Indian Garden e reabastecer. Antes de iniciar confira se os pontos de abastecimento da trilha estão funcionando normalmente.

Também é bom levar um lanche. Se for passar a noite no cânion, material de acampamento e refeições.

Não é preciso usar botas específicas. Um tênis confortável de caminhada está ótimo, porque a trilha é bem demarcada e cuidada.

Para ver todas as dicas do que levar e de segurança, leia o nosso artigo sobre dicas para planejar uma trilha.

A trilha

A Bright Angel Trail é um caminho histórico, utilizado pelos índios que habitavam a região há centenas de anos para descer ao fundo do Grand Canyon, por ser o caminho mais acessível. A trilha segue uma das falhas laterais do canion, e por estar as margens da parede tem sombra frequente. Consequentemente, tem mais vegetação e mais animais do que as outras trilhas do parque.

Uma das vantagens da Bright Angel é que existem vários pontos de destino. Assim você pode adequar o tamanho da trilha para a distância que quer caminhar e o tempo que tem disponível.

Outro ponto positivo é que você poderá descer até o fundo do cânion por esta trilha e voltar por outra diferente. A South Kaibab Trail é a opção mais comum para fazer isso.

Principais opções de trajeto:

  • Até primeira área de descanso (5 km ida e volta): A maioria dos visitantes, especialmente quem vai passar só um dia no cânion, vai até este ponto. É ideal para ver o Grand Canyon de um ângulo diferente e sentir a grandiosidade da formação.
  • Até segunda área de descanso (10 km ida e volta): Bom para quem quer descer um pouco mais fundo no cânion. A paisagem não muda tanto em relação ao primeiro ponto de descanso, mas a sensação de imersão no Grand Canyon é maior.
  • Até o Indian Garden (14 km ida e volta): Aqui é a principal área de camping na parte baixa do cânion. Bom lugar para passar a noite em se for até o rio ou estiver fazendo a travessia entre as bordas do Grand Canyon. Para quem quer fazer a Bright Angel até aqui, tem lugar para descansar e reabastecer a água.
  • Até o Plateau Point (19 km ida e volta): O melhor mirante para ver o Rio Colorado. Pouco depois do Indian Garden a trilha para chegar até este ponto se separa da principal, que segue até o rio.
  • Até o Rio Colorado (28 km ida e volta): Geralmente é combinada com uma estadia no Phantom Ranch ou Indian Garden.
  • Até o Phantom Ranch (31 km ida e volta): Esta lodge é a melhor opção para passar a noite no fundo do Grand Canyon. Perfeita para quem estiver fazendo a travessia entre os dois lados do cânion ou subindo e descendo ao Rio pelo mesmo lado.
  • Até a Borda Norte (36 km ida): A melhor trilha do parque. A logística mais prática é passar uma noite no Phantom Ranch e planejar um transporte entre os dois lados para não precisar ir e voltar.

Reservas para dormir no interior do Grand Canyon

Descer até o fundo do cânion e voltar no mesmo dia é desgastante em termos físicos, especialmente no verão. Considere passar uma noite lá embaixo se for até o rio.

Camping

A opção mais barata para passar a noite. É preciso solicitar uma permissão para acampar lá https://www.nps.gov/grca/planyourvisit/backcountry-permit.htm). Para solicitar a permissão, é preciso imprimir o pdf, preencher e enviar por correio ou FAX (???). As reservas podem ser feitas com 4 meses de antecedência da data requerida, a partir do 1º dia do mês.

Phantom Ranch

A única lodge no interior do Grand Canyon é o Phantom Ranch. Um lugar histórico, e muito confortável. Aqui você pode ficar em dormitórios compartilhados (tem masculino e feminino) ou em um chalé (de 2 a 10 pessoas). São servidos café da manhã e jantar. As reservas se esgotam rápido, então é preciso reservar com bastante antecedência (vários meses), e os preços não são baixos.) As reservas podem ser feitas no site de lodges do Grand Canyon.

Minha experiência na trilha Bright Angel

Vou relatar aqui a minha experiência com esta trilha, para ajudar você a se planejar para fazê-la. E por favor, se planeje melhor que eu.

Chegando no Grand Canyon

Cheguei ao Grand Canyon de carro, vindo de Los Angeles, no final da tarde de uma quarta feira de abril. Nevava. Fui até o Mather Campground, onde tinha reservas para acampar, estacionei e montei minha barraca. Fui até um dos restaurantes na entrada do parque, comi alguma coisa e voltei para dormir, pois já estava escurecendo.

Eu tinha reservas para 5 dias no parque, mas não tinha um roteiro definido, nem conhecia bem as atrações disponíveis. Na manhã do dia seguinte o Grand Canyon amanheceu coberto de neve. Resolvi sair do camping e pegar o shuttle para conhecer melhor Grand Canyon Village, onde ficam as lojas, restaurantes e lodges.

Dentro do ônibus, uma das paradas me chamou a atenção: Bright Angel Trailhead, o local onde se inicia a trilha. Eu já tinha lido sobre trilha e planejava fazê-la em algum dos dias, então resolvi descer e dar uma olhada no local. Cheguei ao ponto inicial da trilha e dei uma olhada no mapa. A primeira para intermediária ficava a 3 km, então resolvi ir até lá, aproveitando que já estava ali.

As trilhas do Grand Canyon têm um risco que deve ser levado em conta. Como você desce na ida e sobe na volta, fica difícil saber onde parar. Como você caminha rápido e sem se cansar na ida, acha que pode seguir em frente. Depois que já andou bastante que percebe como a volta será difícil. Numa trilha de montanha, onde você sobre primeiro, fica fácil estabelecer seu limite. Quando estiver cansado da subida, você para, volta, e só precisará descer.

Eu cometi este erro de avaliação e desci demais sem estar preparado!

Início da Bright Angel Trail

A trilha desce ao longo da parede do cânion em confortáveis zigue-zagues. À medida que você vai descendo, o som das pessoas e automóveis que ficam na Grand Canyon Village vai ficando para trás. O silêncio só não é total porque o barulho das águas do rio vai aumentando, quase servindo de guia da trilha.

Ao chegar na primeira parada de descanso, não estava cansado nem nada. Então resolvi ir até a próxima. Não havia comido nada ainda, nem levado um lanche e nem uma garrafa de água. Mas como era cedinho, o dia estava frio e sem sol, parecia que a subida seria tranquila.

No caminho foi possível ver alguns animais. Esquilos tentando barganhar pedaços de frutas de quem estava na trilha, e filhotes de veado observando a movimentação com curiosidade.

animais e veados na trilha bright angel traiil, no grand canyon, arizona, estados unidos

Companhia na descida da trilha Bright Angel

Cheguei na segunda parada de descanso. Já estava na metade do caminho até o Plateau point, que era onde eu queria ir, para ver o rio de perto. Ai, erradamente, pensei: já que estou aqui, vou de uma vez até lá. E segui em frente. Parei no Indian Garden para descansar e tomei um pouco de água. Não demorou muito e cheguei no Plateau Point. Moleza.

A subida

Já era meio dia, e o dia estava ensolarado. Depois de tirar algumas fotos no Plateau Point, resolvi voltar. A caminhada até o Indian Garden é praticamente plana. A partir dali começa a subida. São aproximadamente 1000 metros de ganho de altitude. Imagina subir uns 300 andares de escada. Pois é!

Subi os zigue-zagues lentamente, aproveitando cada curva para descansar e tirar fotos do cânion. Foram cerca de 4 horas desde o Plateau Point. Chegando na borda do cânion, com forme e com sede, fui para o acampamento comer.

A falta de preparação fez com que eu não aproveitasse a trilha como poderia. Precisei ir o mais rápido possível, e fiquei muito cansado. Quando você não se prepara para a atividade, mesmo que tudo dê certo, você não aproveita como poderia.

Ficou o aprendizado para as trilhas seguintes no Grand Canyon.

Outras trilhas legais no Grand Canyon

Travessia do Grand Canyon – Atravessar de um lado ao outro do canion é o passeio mais legal do parque. Como já dissemos, a Bright Angel Trail pode ser usada para este objetivo. Em breve faremos um post explicando tudo sobre esta travessia!

paisagem do rio colorado, no grand canyon, no arizona, estados unidos, ao por do sol,

O sol se pondo sobre o rio colorado e o Grand Canyon

South Kaibab Trail Esta é principal alternativa à Bright Angel Trial para chegar ao fundo do cânion. Por não passar pelas paredes do cânion, oferece vistas melhores. Porém, não tem sombra e nem água disponível. Tem 10 km de distância (ida e volta) até o Skeleton Point, com uma belo visual do interior do Grand Canyon.

Outras atrações próximas

Reserva Havasupai (300 km) – As Havasu Falls são uma das cachoeiras mais bonitas e famosas dos EUA, e ficam no Havasu Canyon. As águas azuis fazem um belo contraste com o deserto vermelho. Mas ao contrário da maioria dos pontos turísticos da região, chegar aqui é um inferno. Tem que querer muito, e se planejar bem. Mas vale a pena!

O lugar onde vocÊ deve ir para começar se chama Hualapai Hilltop. Não confundir com a Hualapai reservation, onde fica a Skywalk, da qual falamos acima. São quase quatro horas partindo da borda sul do Grand Canyon. De Las Vegas também são umas quatro horas. A partir da Hualapai Hilltop você precisa chegar na vila de Supai, considerada a mais isolada dos EUA. A distancia é de cerca de 13 km, e não é permitido ir de carro. Suas opções são ir a pé, de cavalo ou de helicóptero. A partir de lá você pega uma trilha para chegar até as cachoeiras, são cerca de 8 km ida e volta. E esta trilha é bem ruim e íngreme.

E não se esqueça de fazer reservas para passar a noite em Supai, seja para acampar ou em uma lodge (Supai Lodge ou Hualapai Lodge). Ufa! Tem que querer muito! E cuidado com os assaltos, a vila é bem pobre e tem um histórico ruim nesse sentido.

Zion National Park (380 km) – Um complemento perfeito para uma visita ao Grand Canyon. O parque de Zion oferece algumas das melhores trilhas do país, sendo Angels Landing sua principal. Se estiver fazendo uma road trip pela região, inclua o estado de Utah, vizinho ao Norte do Arizona, onde estão localizados o Zion e alguns outros fantásticos parques.

Visual da trilha angels landing, zion np, utah estados unidos

Visual do alto de Angels Landing, in Zion NP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *